sábado, 1 de janeiro de 2011

História da Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Muito cedo, luteranos aportaram no Brasil. Já em 1532, o filho de um amigo de Lutero, Heliodoro Eobano, desembarcou em São Vicente, SP, onde professou sua fé.

Origem da IELB


Em 1817, o governo da Prússia, o maior estado alemão, impôs a união de luteranos e reformados calvinistas. Muitos não aceitaram essa imposição, formando igrejas puramente luteranas em toda a Prússia. Dessas igrejas independentes, alguns emigraram para o Novo Mundo, formando igrejas de cunho marcadamente confessional.   

Luteranos dessa tendência, da Igreja Luterana Sínodo Missouri dos Estados Unidos, vieram para dar assistência a emigrados alemães luteranos no Brasil. Originada das igrejas luteranas independentes confessionais, essa se tornou uma característica marcante na história da IELB. Na sua literatura teológica e devocional, nos temas de suas conferências e convenções, essa tem sido a ênfase mais presente.

A maior parte dos alemães que emigraram ao Brasil no século XIX fixaram residência no Rio Grande do Sul. Aí organizaram-se, de acordo com a sua origem, em luteranos, reformados ou unidos. Em 1886, fundou-se o Sínodo Rio-Grandense, sob a liderança do Rev. Wilhelm Rotermund. Em 1968, esse Sínodo, com o Sínodo Evangélico Luterano de Santa Catarina, Paraná e outros Estados da América do Sul (1905), a Associação de Comunidades Evangélicas de Santa Catarina e Paraná (1911) e o Sínodo Evangélico do Brasil Central, formaram a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). A IECLB registra atualmente 700 mil membros.

[Untitled+1.jpg]
Carl Mahler, primeiro pastor residente no Brasil, e Augusto Gowert (D)

Começando o trabalho


A pedido do pastor Johann F. Brutschin, de Novo Hamburgo, RS, a Igreja Luterana - Sínodo de Missouri dos Estados Unidos enviou ao Brasil o pastor Christian J. Broders. O pastor Broders tinha a tarefa de investigar a possibilidade missionária no Brasil. Ele começou o trabalho na localidade de São Pedro, município de Pelotas, Rio Grande do Sul. Aprovado o trabalho, logo chegaram outros missionários. 

Broders fundou, no dia 1° de junho de 1900, com 17 famílias, a Comunidade Evangélica Luterana São João, em São Pedro, a 40 km de Pelotas, RS, a primeira igreja da IELB no país.


Em 1904, no dia 24 de junho, foi fundada, em São Pedro do Sul, perto de Santa Maria, RS, com a presença de 14 pastores, um professor e 10 leigos, representando 10 congregações com aproximadamente três mil membros, a Igreja Evangélica Luterana do Brasil.

O trabalho pioneiro cresceu e em 2007 registrou 233 mil membros batizados na Igreja. A partir de trabalhos missionários da IELB, a igreja luterana chegou ao Paraguai e Portugal - hoje nossas igrejas irmãs - e que colaboram com a missão em diversos países enviando pastores. 

A IELB em Passo Fundo

Em 1909, o governo do Rio Grande do Sul, resolveu iniciar a colonização da região de Erechim (na época fazia parte de Getúlio Vargas).  Os jornais de Porto Alegre fizeram imensa propaganda. A região foi dividida em cerca de 5 mil colônias. Era a região do Rio Ligeiro, do Rio do Peixe e Arroio das Pedras, para a qual migraram muitos colonos entre os quais muitos luteranos. Isso fez com os pastores H. Gruell e F. W. Brandt (que atendia Não Me Toque) realizassem visitas aos luteranos nesta nova colonização.


O missionários John Brusch, formado em 1908, em Saint Louis, EUA, aceitou o chamado para trabalhar na região. Após 28 dias de viagem em navio cargueiro, o “Terence”, chegou a Porto Alegre. Posteriormente seguiu viagem de trem até Carazinho e, de lá, tomou diligência até a cidade de Não Me Toque.  Brandt e Brusch seguiram  a cavalo até Erechim (G. Vargas). Em três dias chegaram ao destino. No dia 21 de maio, Brusch foi instalado por Brandt.


Antes da vinda de Busch, Brandt, em viagem de volta para Erechim, errou o caminho nos campos de Passo Fundo. Desceu do cavalo e subiu uma coxilha para enxergar alguma casa. Quando voltou para onde havia deixado seu cavalo, este desaparecera, restando a ele pernoitar ao relento. O pastor  foi encontrado no dia seguinte por um negociante que o encaminhou, faminto e com frio à casa da família Pauli.
Após visitar diversas famílias na companhia do Sr. J. Barfknecht, celebrou no dia 28 de maio o primeiro culto em Rio do Peixe. No domingo seguinte, celebrou o culto de Pentecostes em Erechim com a presença de 70 pessoas. Na segunda-feira foi à Passo Fundo e, após visitar algumas famílias, pernoitou na casa da família Pauli. Seguiu viagem a Carazinho, onde celebrou culto no dia 8 de junho de 1910. Voltou a Passo Fundo celebrando um culto no dia 9 de junho, retornando então para casa, para no dia 11 de junho celebrar o segundo culto do Rio do Peixe.


Fonte: Liturgia Culto 106 anos da IELB e arquivo de Vera Roos Todeschini